Terça-feira

                        Bate à porta a esperança,

                        nunca antes convidada.

                        Teimosa visitante,

                        insistente,

                        função eterna da mudança:

                        tornar suportáveis,

                        até felizes, os dias

                        de quem a acolhe.

                       

                        Na soleira de uma porta aleatória,

                        em batidas ritmadas,

                        esperando resposta

                        de alguém que tanto precisa desses serviços:

                        os de mudança,

                        de perspectiva, afinal.

                        

                        Mas não há como esperar menos do que a infelicidade

                        de um ser já farto do vulgar,

                        com a cabeça cheia de cotidiano,

                        cheia de vazio.

                        Um ser de anos mal vividos.

                        

                        Desapercebidos.

                        

                        Ser de mente limitada,

                        consequências da falta de futuro e de planos.

                        De ensejos, até.

                        

                        Esperança de mudança,

                        há?

                        

                        [mudança] Para um coração desiludido

                        (entris)tecido

                        em um retalho de desalento,

                        na linha tênue da frieza,

                        costurada com a agulha do tempo,

                        do ponteiro do relógio da vida

                        perdida,

                        em irreparável peça pronta.

                        

                        Torna a bater a esperança…

                         

                         Mas lhe falta tanta coragem.

                         A vontade que não existe de ser diferente.

                         Num mundo onde o cruel é comum

                         e a alegria tão efêmera…

                         

                         Ser enfraquecido,

                         abatido,

                         com a essência carregada dos mais hiperbólicos enganos.

                         

                         E nessa tão longa hesitação

                         decide pelo que lhe é mais sensato:

                         manter o corpo em busca apenas do oxigênio,

                         o científico,

                         que lhe é vital.

                           

                         Entrega-se à cafeína, refúgio

                         para conservar a mente sã,

                         ou quase isso.

                          

                         Procrastina a recepção da esperança

                         e pede desculpas silenciosamente.

                         Não abre a porta.

« Giovanna Leles

15° 46’ 47” S 47° 55’ 47” O

                O vento tinha o privilégio.

 

                De brincar todos os dias com seus cabelos

                enquanto ele andava pelas ruas da Capital.

                Sozinho.

                Tentando fazer acontecer a sua vida.

                Tão singela.

                Tão normal.

 

                A janela tinha o privilégio.

 

                De emoldurar seu belo rosto

                em todas as manhãs de todo o calendário.

                Quando acordava com o sol

                e sentia a natureza lhe cumprimentar sutilmente

                com seu carinho anfitrião.

                De tranquilidade doce.

                De equilíbrio necessário.

 

                O livro tinha o privilégio.

 

                De estar ao seu lado enquanto o ponteiro trabalhava no relógio.

                Levando-o para onde ambos quisessem,

                sem fronteiras nem atlas existentes.

                O encantando com suas palavras francas.

                Que traziam tanto sentido a ele.

                Que eram tão gentis com ele.

 

                Ela tinha o privilégio.

 

                De encarar aquele par de olhos adoráveis.

                Olhos de quem contorna o aleatório com pureza

                e que colore o mais opaco espaço com ternura.

                Olhos de horizonte.

                Que olhavam de volta os dela.

                Com reciprocidade.

                Com um amor único.

 

                Ela não era eu.

« Giovanna Leles

Ermo

                Havia tido,

                quem sabe,

                um ser ali dentro.

 

                Anoso,

                mas vivo.

                Cauteloso,

                mas decidido.

 

                Que enxergava a pureza das cores.

                Que sentia as palavras dos contos.

                Que registrava a brisa em imagens.

                Que pintava sorrisos em rostos.

 

                Abstrato,

                mas genuíno.

                Recluso,

                mas franco.

 

                Era tão belo ser,

                que filtrava os ensejos da vida

                e os transformava em realidade.

                Que amava o ser que era.

 

                Até ficar

                assim,

                tíbio.

 

                Até se tornar,

                então,

                infeliz.

 

                Porque já não era dotado de tanto gostar.

                Porque não ouvia mais nenhuma vontade.

                Porque sua sina era apenas esperar

                que o acaso mudasse o que o estava destinado:

 

                Abiose.

« Giovanna Leles

Sine nomine vulgus

                Transformou momentos em fotografia.

                Fez da alegria uma lembrança.

                Dava passagem a cada dor.

                E contraía.

 

                Converteu-se em ânodo triste

                que atraía para si toda a solidão.

                Foi perdendo a coragem.

                E morria.

 

                Fez de seu carnaval um silêncio.

                E não havia festival ou padroeiro,

                nem indício, nem pessoa,

                que trouxesse melodia.

 

                Fechou a janela, a persiana,

                a porta, a gaveta, os olhos.

                Podia sentir o vazio.

                Podia tocar sua fraqueza.

               

                E se calafrio, não arrepiava.

                E se comia, não saciava.

                E se cobria, não esquentava.

 

                Quando mudava, não percebia.

                E se chorava, não se esvaía

                dor que fosse, dentro ou fora.

 

                Poderia ficar em qualquer rua,

                indiferente à estação,

                não importava a locomotiva.

 

                Já que assim como o domingo

                era sempre um dia cinza,

                seria, então, a abulia seu fator peculiar.

 

                Para pôr fim à analogia.

 « Giovanna Leles

Ele, recipiente.

                Quando pediram-me para descrevê-lo,

                compará-lo, defini-lo

                em apenas uma palavra,

                depois de breve hesitação

                decidi que seria uma caixa.

 

                Poderia ser qualquer caixa, de fato.

                Mas nenhuma en(caixa)ria-se em seu perfil

                Excêntrico.

                Autêntico.

                Paradoxal.

 

                Haveria de ser uma caixa nova.

                Daquelas que ninguém tem.

                Daquelas que ninguém é.

                Honra a minha, com tal responsabilidade,

                de encaixá-lo na caixa perfeita.

 

                Seria como uma caixa de sapatos:

                retangular, para melhor caber seu extenso e admirável conteúdo.

                Simples, como eram seus gestos.

 

                Seria como uma caixa de presente:

                bem elaborada, como eram as tuas palavras.

                Delicada, como eram os teus olhos.

 

                Seria como uma caixa de tintas:

                tão nobre quanto o que está dentro dela.

                Que, assim como ele, sempre vinha para colorir meus dias.

 

                Seria como uma caixa de fotografias:

                de uma memória respeitável

                e de valor simbólico imensurável.

 

                Seria como a caixa de meu disco favorito:

                impossível desfazer-se de tal artefato.

                E nunca me cansaria de admirá-la.

 

                Acontece que nenhum espécime

                da mais bela das senhoras caixas

                seria suficiente

                para abrigar suas qualidades.

                Para sê-lo.

 

                E achava bem melhor assim.

                Afinal, qual seria a vantagem

                de enquadrá-lo em tal geometria

                se eu não podia ser caixa como ele?

 

                Porque, com meu limitado conhecimento,

                de um fato eu sabia:

                jamais haveria alguém que carregasse detalhes iguais.

               

                Decidi compará-lo a um livro.

                Porque, com tantas páginas,

                haveria lugar suficiente para encaixar nós dois.

« Giovanna Leles

Relato de um retrato

                Não sei de nada sobre a vizinhança,

                Muito menos sobre as notícias.

                Tampouco acerca da cidade ao lado.

 

                De nada me interessam as músicas no rádio

                Nem se a guerra ainda segue no Oriente.

                Ou Ocidente. Já nem sei.

 

                Gostaria de ter ciência, na verdade,

                Do motivo da sua ausência.

                O vazio aqui não responde.

 

                Admiro sua capacidade.

                Incrível dom do silêncio.

                Afastou-se sem fazer ruído algum.

 

                Pois, se foi, não voltaria?

                Nem ao menos para dizer

                O porquê de tê-lo feito?

 

                O problema sendo eu,

                Peço, suplico que não se incomode.

                Mudo tudo o que sou e venho sido.

 

                Deixarei que me transforme.

                Face, corpo, alma.

                Ficarei do seu agrado. E ao seu lado.

               

                Em um processo de reconstrução

                Retire todas as minhas manias.

                Plante seus costumes em mim.

 

                Use sua aquarela.

                Pode ir, me colorir,

                Da forma que suas mãos desejarem.

 

                Prefiro outono, mas,

                Se o inverno lhe agrada, agasalho-me.

                Calor suportável.

 

                Quais canções gosta de ouvir?

                Irei cantá-las, tocá-las,

                Em um tributo ao seu coração.

 

                Como é o ser com quem você sonha?

                O que é a perfeição para ti?

                Permita que eu lhe seja tal conceito.

 

                E, se for de seu gosto a rotina,

                Desapego-me do acaso.

                Serei sua trivialidade.

 

                Remolde, reconte.

                Repense e me recrie.

                O tempo é favorável agora.

               

                Faça valer minha flexibilidade.

                Use de meus matizes e de minha paciência.

                Transforma-me em seu paradoxo favorito.

 

                Depois do trabalho pronto,

                Com base no que julga ser o melhor,

                Faça um retrato de mim.

 

                Para que eu possa ver a dimensão.

                Admirar com precisão

                Meu próprio re-trato.

 

                Coloque uma moldura

                E pendura-me na parede da sala.

                Ou onde quer que você deseje.

 

                Só exijo estar lá:

                Imóvel, certa, sua obra.

                Para ser apreciada pelo mais belo autor.

« Giovanna Leles